gototopgototop
Informação
Acordos de Parceria Institucional 15 Fevereiro 2011, 11.31
Acordos de Parceria Institucional
De 2008 a 2010, a FUNDEI tem celebrado Acordos de Parceria com diferentes Instituições, na
Ler mais 7853 Hits 0 Ratings
Órgãos Sociais da FUNDEI 15 Fevereiro 2011, 11.28
Órgãos Sociais da FUNDEI
Órgãos Sociais da FUNDEI   Os instituidores da FUNDEI (o Governo da República da Guiné-Bissau e o
Ler mais 4338 Hits 0 Ratings
Campanha de Comercialização da Castanha de Caju - 2009/2010
A cerimónia da abertura oficial da campanha de comercialização da castanha de caju/2009 teve lugar
Ler mais 9516 Hits 0 Ratings
Formação em Tecnologia de Processamento de Frutas
Formação em Tecnologia de Processamento de Frutas No âmbito do Acordo Básico de Cooperação
Ler mais 7590 Hits 0 Ratings
Programa de Industrialização (Valorização Integral) do Caju
    Programa de Industrialização (Valorização Integral) do Caju   1. Introdução A
Ler mais 8016 Hits 0 Ratings
Formação no Centro de Promoção do Caju
Formação no Centro de Promoção do Caju O Centro de Promoção do Caju (CPC), situado em Bissau, na
Ler mais 6969 Hits 0 Ratings
Tribunal do Comércio   em Funcionamento pleno
Tribunal do Comércio   em Funcionamento plenoCom a entrada efectiva em funcionamento desse órgão
Ler mais 7100 Hits 0 Ratings
ALUGUER DE RESIDÊNCIAS 15 Fevereiro 2011, 11.23
ALUGUER DE RESIDÊNCIAS
A FUNDEI dispõe de um parque residencial com construções de qualidade superior (antigas residências
Ler mais 7204 Hits 0 Ratings
Entrada Regulamento

 

 

PREÂMBULO

A FUNDEI, como prevê a legislação guineense, foi instituída e reconhecida em Junho de 1994, através dum Decreto do Governo No 27-B/94, que definiu os seus objectivos e o seu enquadramento institucional. Nessa altura, a Guiné-Bissau não tinha aderido à UMOA/UEMOA, pelo que lhe foi autorizado o exercício de certas actividades, sujeitando-se à lei das instituições financeiras e à política monetária e cambial que vigoravam no País.

Com a adesão da Guiné-Bissau à UMOA/UEMOA, em Maio de 1997, passou a vigorar uma lei bancária comum da zona, a que certas actividades da FUNDEI, nomeadamente, as de concessão de crédito, devem sujeitar-se.

Em Maio de 2001, numa das suas reuniões, o Conselho de Administração da FUNDEI aprovou um documento que intitulou de “Perspectivas de Desenvolvimento Institucional da FUNDEI”. A decisão resulta duma profunda reflexão sobre o futuro da FUNDEI, particularmente na vertente do seu enquadramento institucional.

Com base nessa decisão do Conselho de Administração, proceder-se-á a uma restruturação profunda da FUNDEI, que se fundamenta na separação das suas duas funções principais de intervenção: (1) função promocional e (2) função financeira.

Assim, fazendo uso das prerrogativas estatutárias que lhe são conferidas, a FUNDEI criará, transitoriamente, entidades semi-autónomas, a quem delegará o exercício de certas actividades complementares à consecução dos seus objectivos.

Por conseguinte, a FUNDEI, enquanto Fundação, deve reestruturar e redimensionar os seus serviços, para que possa corresponder à sua vocação principal de promover o desenvolvimento da classe empresarial e da micro, pequena e média indústria guineenses. O funcionamento dos órgãos e serviços da FUNDEI passam a reger-se pelos seus estatutos e pelo presente Regulamento Interno.

Artigo 1o

(Objectivos)

A Fundação Guineense para o Desenvolvimento Empresarial Industrial, adiante e abreviadamente designada por FUNDEI, tem por objectivo principal promover e apoiar o desenvolvimento da micro, pequena e média indústria da Guiné-Bissau, em conformidade com os seus estatutos e a legislação em vigor no País.

Artigo 2o

(Conselho de Administração)

  1. A definição da política de gestão, administração e desenvolvimento da FUNDEI é da responsabilidade do Conselho de Administração, competindo-lhe, nomeadamente:

a) Definir as prioridades de intervenção da FUNDEI, de acordo com os objectivos fixados, e tendo em conta a política de desenvolvimento nacional traçada pelo Governo.

b) Fazer concretizar todas as iniciativas necessárias à consecução dos objectivos da FUNDEI.

c) Aprovar e submeter ao parecer do Conselho Fiscal e a uma auditoria externa, o relatório de gestão e contas, bem como o orçamento e o programa de actividades para o ano seguinte, apresentados pela FUNDEI e pelas entidades autónomas e semi-autónomas.

d) Aprovar os Regulamentos de Funcionamento Interno da FUNDEI e das entidades autónomas ou semi-autónomas por ela criadas.

e) Adquirir ou onerar quaisquer bens, outorgando, para o efeito, nos contratos necessários.

f) Decidir sobre os investimentos e aplicações financeiras, na perspectiva da melhor rentabilização dos recursos da FUNDEI.

g) Aprovar a concessão de financiamentos reembolsáveis a projectos de investimento, nos termos a definir por regulamentos próprios.

h) Nomear o Director Executivo da FUNDEI.

  1. As decisões do Conselho de Administração são tomadas segundo as regras estabelecidas nos estatutos da FUNDEI.

Artigo 3o

(Director Executivo)

  1. A implementação das deliberações do Conselho de Administração da FUNDEI compete ao Director Executivo, a quem incumbe, em especial:

a) Coordenar a actividade e o funcionamento dos diversos departamentos técnico-administrativos da FUNDEI, bem como garantir a sua gestão corrente.

b) Exercer a supervisão sobre o funcionamento das entidades autónomas e semi-autónomas criadas pela FUNDEI, promovendo encontros periódicos com respectivos Administradores.

c) Executar a política definida para a actividade da FUNDEI pelo Conselho de Administração.

d) Elaborar os programas de actividade, os orçamentos e outros documentos orientadores da FUNDEI, e submetê-los à aprovação do Conselho de Administração.

e) Zelar pela boa gestão dos recursos humanos, financeiros e materiais, bem como pelo cumprimento das orientações e deliberações vindas dos órgãos estatutários da FUNDEI.

f) Autorizar as despesas de funcionamento e daquelas que resultem das deliberações do Conselho de Administração.

g) Exercer as demais tarefas e competências que lhe forem delegadas pelo Conselho de Administração.

  1. O Director Executivo terá uma Secretária que, cumulativamente, coordenará os Serviços Administrativos da FUNDEI.

Artigo 4o

(Divisões e Serviços)

1. Sob dependência directa do Director Executivo, funcionam:

a) A Divisão de Operações;

b) A Divisão de Relações Públicas;

c) Os Serviços Financeiros;

d) Os Serviços Administrativos.

2. Cada Divisão é coordenada por um Chefe de Divisão.

3. Os Serviços são coordenados pelos Chefes de Serviço.

Artigo 5o

(Divisão de Operações)

1. Compete à Divisão de Operações:

a) Promover acções de formação a favor da classe empresarial, em particular, dos promotores de projectos de investimento, para a criação, expansão e modernização de micro, pequenas e médias empresas.

b) Realizar estudos diversos, nomeadamente, sobre a criação de parques industriais, valorização de produtos locais e de reabilitação de PMI, na perspectiva do seu enquadramento no desenvolvimento industrial e empresarial do País.

c) Providenciar a criação e a actualização de um Banco de Dados sobre os diferentes tipos de tecnologia.

d) Promover, apoiar e incentivar a realização de feiras destinadas à divulgação de produtos nacionais e de tecnologias adaptadas à realidade socio- produtiva do País.

e) Estabelecer mecanismos de colaboração com as instituições de formação profissional existentes no País.

f) Promover acções de aconselhamento e de apoio aos empresários e promotores de iniciativas empresariais.

g) Criar incentivos a um maior e melhor desempenho da classe empresarial guineense, no exercício das suas funções.

h) Assegurar o funcionamento da Antena do CDE, em colaboração com a Divisão de Relações Públicas.

i) Exercer as demais funções atribuídas pelo Director Executivo.

2. O Chefe da Divisão de Operações poderá ter um ou mais colaboradores se o volume de trabalho o justificar.

Artigo 6o

(Divisão de Relações Públicas)

1. Compete à Divisão de Relações Públicas:

a) Estabelecer mecanismos de cooperação com instituições e organismos

nacionais e estrangeiros, visando a consecução dos objectivos da FUNDEI, nomeadamente, a mobilização de fundos destinados a acções de formação e de assistência técnica aos empresários e promotores de projectos de investimento.

b) Produzir material promocional da FUNDEI e garantir a sua divulgação através de canais apropriados.

c) Providenciar a publicação anual dos principais documentos da FUNDEI, nomeadamente, Relatório de Gestão e Contas.

d) Incentivar a criação e publicação de obras científicas, nos diferentes domínios da gestão, pelos técnicos nacionais.

e) Organizar conferências, seminários e debates nos domínios científicos da gestão empresarial.

f) Estudar a possibilidade da FUNDEI criar uma site e um programa na Internet para a divulgação da Fundação e das oportunidades de negócios na Guiné-Bissau, destinados aos potenciais investidores nacionais e estrangeiros.

g) Promover parcerias estratégicas com instituições, sociedades e empresas especializadas nos domínios da intervenção da FUNDEI e das sua subsidiárias.

h) Promover e proporcionar parcerias empresariais entre as sociedades e empresas nacionais e estrangeiras.

i) Exercer as demais funções atribuídas pelo Director Executivo.

2. O Chefe da Divisão de Relações Públicas poderá ter um ou mais colaboradores se o volume de trabalho o justificar.

Artigo 7o

(Serviços Financeiros)

1. Compete aos Serviços Financeiros:

a) Proceder ao registo e cadastro do activo patrimonial da FUNDEI e velar pela sua conservação e manutenção.

b) Preparar os projectos de orçamento da FUNDEI para serem submetidos à aprovação do Conselho de Administração.

c) Preparar as propostas de movimentações de fundos e das contas bancárias da FUNDEI e estabelecer contactos com a banca comercial.

d) Manter a contabilidade da FUNDEI em ordem, de conformidade com a legislação em vigor no País.

e) Propor a eventual participação da FUNDEI em sociedades comerciais, na perspectiva da consecução dos seus objectivos estatutários.

f) Exercer as demais tarefas atribuídas pelo Director Executivo.

2.    O Chefe dos Serviços Financeiros poderá ter um ou mais colaboradores se o volume de trabalho o justificar.

Artigo 8o

(Serviços Administrativos)

1. Compete aos Serviços Administrativos:

a) Coordenar todas as actividades administrativas da FUNDEI.

b) Organizar as entradas, saídas, registo e arquivo dos documentos.

c) Administrar o uso e o consumo racional do material de expediente.

d) Assegurar a administração do pessoal.

e) Exercer supervisão sobre a actividade do pessoal auxiliar (condutores, contínuos, governanta e outros).

f) Assistir às Divisões e Serviços da FUNDEI na dactilografia e reprodução de documentos.

g) Apoiar a actividade dos Corpos Sociais da FUNDEI.

h) Exercer as demais funções atribuídas pelo Director Executivo.

2. A Chefe dos Serviços Administrativos poderá ser coadjuvada por uma Secretária-Recepcionista.

Artigo 9o

(Movimentações Financeiras)


1. A FUNDEI poderá ter contas bancárias no País e no estrangeiro.

2. No País, a FUNDEI manterá contas em moeda local, alimentadas pelas contribuições das suas subsidiárias ou das sociedades por ela participadas, pelos pagamentos das prestações de serviço e pelas transferências do exterior.

3. No estrangeiro, a FUNDEI terá contas em divisas, alimentadas pelos resultados da aplicação do seu património inicial e por quaisquer outros montantes que, a qualquer título, sejam postos à sua disposição.

4. A FUNDEI movimentará recursos financeiros destinados ao custeamento das despesas de funcionamento e de promoção industrial, através de contas bancárias.

5. Todos os pagamentos, cujos valores sejam iguais ou superiores a 50.000 (cinquenta mil) Francos CFA, serão efectuados por cheque.

6. Todos os recebimentos serão efectuados por depósito nas contas bancárias da FUNDEI.

7. Todos os documentos de despesa devem conter a indicação do número, data e valor do cheque emitido.

8. A movimentação das contas bancárias será efectuada nos termos e nas condições que o Conselho de Administração determinar.

Artigo 10o

(Prestação de Serviços de Terceiros)

1. No âmbito das suas atribuições, a FUNDEI poderá recorrer à contratação de técnicos, empresas ou organismos nacionais e estrangeiros para a execução de tarefas especializadas, em regime de prestação de serviço.

2. Os contratos de prestação de serviço que venham a ser celebrados ao abrigo do número anterior, deverão merecer a prévia aprovação do Conselho de Administração.

Artigo 11o

(Omissões e Revisão)

1. Qualquer caso omisso no presente Regulamento Interno será resolvido por deliberação do Conselho de Administração.

2. O presente Regulamento será revisto e reformulado sempre que o Conselho de Administração o entender conveniente.

 
Acordos
Órgãos Sociais da FUNDEI
Mini Calendário
Abril 2014
STQQSSD
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930